A tendência da temporada: tênis feio

Alguns dos designers mais influentes e os que estão por trás das maiores marcas – incluindo Prada, Dior, Louis Vuitton e Balenciaga – indicaram novos rumos para os tênis nesta última temporada. Mas, ao contrário dos Nike Monarchs usados por papais e vovós no passado, esses tênis intencionalmente feios aparecem em combinações com vestidos superelegantes exibidos por mulheres. E, para os homens, em calças de alfaiataria feitas sob medida.

Considerados um crime contra a moda até pouco tempo atrás, os novos ugly shoes são, agora, um componente vital da composição disruptiva de looks tradicionais. As marcas resgataram a paixão dos anos 1990 por calçados-ostentação e desajeitados e deram-lhes uma nova cara de alta costura. Os designers de moda, por sua vez, encontraram maneiras de distorcer a concepção que temos de um calçado e isso significa descobrir o que vestir com eles também.

A febre dos esportivos
Há algum tempo, etiquetas de luxo vêm movimentando o mercado calçadista, agregando a suas coleções modelos com ares esportivos. Mas foi depois que Balenciaga lançou o ‘Triple S’ que os ugly sneakers proliferaram. A repercussão é tamanha que eles ganharam status de um dos maiores sucessos de venda da label, inclusive esgotando no e-commerce tão logo foi lançado, mesmo diante do alto preço (em torno de R$ 2,4 mil).

A prevalência em tantos desfiles apenas significa uma coisa: trata-se de uma questão de tempo até invadirem todas as cadeias de fast-fashion. A gigante Zara, por exemplo, viu o modelo que reproduziu sumir das prateleiras em poucas horas.

Chegando agora às ruas e lojas hype, esta tendência já não é tão nova. Vem se delineando desde as parcerias da Adidas com Raf Simons, que desenvolveu o ‘Ozweego’, com a sua sola de plataforma dividida, esquemas de cores propositalmente chocantes e um conjunto inumerável de partes de couro, silicone, camurça e malha. Neste modelo, as solas já eram mais robustas, os detalhes mais gráficos e as combinações de cores mais vivas.

MAXIMALISMO
O que nos levou até o uso destes calçados ostensivos e superdimensionados foi a onda de maximalismo associada à vibe da moda esportiva. O maximalismo aparece nas sobreposições de cores, materiais mistos, solas enormes e formas ainda mais volumosas.

Ao invés de uma tendência única, o que temos é uma progressão do movimento ‘Athleisure’ e esportivo da alta moda. Este comportamento vai se acentuar no próximo inverno, o que, inclusive, já foi sinalizado nos desfiles de pre-fall 2018 no Hemisfério Norte. 

Silhuetas bem minimalistas dos anos 1990 uniram-se aos tênis coloridos e robustos numa moda spotswear. Creio que estamos apenas começando a ver esse estilo ganhar uma dimensão real. Diante de tantos desfiles do verão 2018 exibindo sua proeminência, tudo está apenas começando.