Re-encantar o cliente

A prática das compras online que virou hábito do consumidor nos anos 2000 pela comodidade, facilidade na busca de preços melhores e ampla escolha, faz com que as marcas tenham de redobrar a imaginação para re-encantar o cliente nos pontos de venda. Alguns conceitos emergentes prometem transformar a experiência nas lojas em momentos únicos e especiais.

As lojas online adotaram um modelo padronizado de vendas e as marcas tendem a perder seu apelo emocional ao consumidor. Ao invés de uma experiência única e singular, a virtualização não permite encantamento do consumidor.

Por isso, algumas experiências de re-humanização da relação com o consumidor estão sendo bem sucedidas nos pontos de venda, permitindo um diálogo único da marca e produto, restaurando o significado do ato de consumo. A oferta de produtos com valor sentimental ou com significado emocional é o caminho adotado por muitas lojas na hora de trazer ao consumidor experiências agradáveis de compra.

Uma boa seleção de objetos vintage ou reciclados, carregados de história por seu antigo proprietário, pode transmitir valores simbólicos aos consumidores. Muitas marcas estão adotando essa estratégia de agregar este tipo de produto ao seu mix habitual. O importante é que tenha relação estreita com o que habitualmente era oferecido no ponto de venda. Este é um conceito que incentiva a não mais considerar os objetos apenas pelo valor monetário, mas leva a uma outra dimensão, à de ligar-se emocionalmente à sua origem.

Ambientes acolhedores

Muitas lojas estão seguindo este caminho da re-humanização procurando oferecer ambientes acolhedores, fazendo com que o cliente sinta-se literalmente em casa, oferecendo não só moda, mas estilo de vida e experiência de compra sem igual.

Na Austrália, a bem-sucedida experiência do site The Cool Hunter, ao levar o estilo de vida do site para o mundo real na loja The Cool House, levou a unidade de Melbourne a quatro dias da abertura uma frequência de 4,5 mil pessoas. O sucesso fez com que Sydney fosse a sede de uma pop-up da marca por 10 dias. Tudo o que esteve em exposição no último mês de dezembro estava à venda, inclusive o local onde a loja foi aberta.

Para ler esta coluna na íntegra é necessário ser assinante virtual da revista Lançamentos.