As NOVAS fronteiras da DIVERSIDADE em 2016

OS LIMITES DA DIVERSIDADE ESTÃO SENDO LEVADOS A NOVOS PATAMARES, POIS AS PESSOAS TÊM BUSCADOS A LIBERDADE DE SEREM ELAS MESMAS E FAZER O QUE QUISEREM

Nossa sociedade vive um momento de celebração da diversidade, do empoderamento dos indivíduos e rejeição das limitações de estereótipos, dando origem a um amplo espectro de conceitos de identidade. Num mundo tão fluído, já não cabem mais definições pré-estabelecidas. A percepção e o posicionamento diante dos padrões “tradicionais” têm desencadeado novos movimentos comportamentais que se manifestam na cultura de consumo contemporânea.

O ponto da virada de toda essa valorização da pluralidade, tornando-a tão mais próxima ao mainstream, deu-se a partir de movimentos como o empoderamento feminino, a nova masculinidade e as expressões de gêneros. Os limites da diversidade estão sendo levados a novos patamares, pois as pessoas têm buscado a liberdade de serem elas mesmas e fazer o que quiserem.

Winnie Harlow, modelo com vitiligo,segue em ascensão no mundo da moda

A modelo Jillian Mercado: "Estou em uma cadeira de rodas, mas sou incrivelmente bonita"

NOVA BARBIE
O lançamento recente das novas bonecas Barbie (com variações de altura, tons de pele, cor dos olhos e estilo do corpo) aqueceu o debate em torno da pluralidade do feminino, questionando os estereótipos existentes e introduzindo o “diverso”, para que cada menina possa formar sua própria percepção dos padrões de beleza. A Barbie, com seus 57 anos, enfrentou uma crise de identidade e precisou se reinventar. Isso porque seu padrão estético de corpo perfeito já não era mais realista.

Não num mundo onde mulheres curvilíneas como Beyoncé e Kim Kardashian são referências de beleza e num momento em que Lena Dunham lidera um movimento que promove a aceitação do corpo. A mulher contemporânea mudou, e temos uma nova geração de mães (Millennials) comprando bonecas para suas filhas.

NEUTRALIZAÇÃO DE GÊNEROS
Assim como as mulheres, os homens também vivem um novo mindset, contribuindo para o borrão das linhas que definem o masculino e o feminino, rompendo com limites e estereótipos. Estamos diante de um movimento de neutralização de gêneros, também conhecido como neutrois, nogendered ou genderless. Muitas marcas de moda já abraçaram a causa, promovendo a diversidade e lançando coleções de roupas e calçados “sem gênero”. A Selfridges, por exemplo, criou o espaço Agender – uma atmosfera de neutralidade de gênero –, propondo uma nova experiência de compra, sem a clássica divisão masculino e feminino.

Selfridge Agender: "Bem-vindo ao futuro das compras sem gênero"

O consumidor moderno quer ser parte de algo maior, de uma causa, e isso resulta em novas formas de consumo. Portanto, é preciso abrir os olhos para novas possibilidades e múltiplas visões de identidade. Jaden Smith, durante uma campanha para a Louis Vuitton, deu a seguinte declaração: “Eu não visto roupas de mulher, eu visto roupas”.

Jaden Smith para campanha da Louis Vuitton