CREEPER: O JOVEM SETENTÃO

Os creepers têm sua origem histórica no Exército. Soldados, na Segunda Guerra Mundial, usaram botas de camurça com solas mais robustas, que os protegiam contra o rigoroso clima desértico da África (1). Foi da evolução e da adaptação destes modelos que nasceram os creepers. Em meados dos anos 1940, o calçado foi para as ruas, quando os soldados saíram à noite para bares e bordeis. Nesta época, o sapato passou a ser chamado de brothel creepers (2). Em 1949, George Hamilton Cox, dono da empresa inglesa de calçados George Cox, desenvolveu um modelo que chamou de “Hamilton” (uma referência ao seu nome do meio), inspirado no calçado usado pelos soldados. O desenho desta peça é o que mais se assemelha aos modelos que veremos mais à frente. 

   

Já nos 1950, um grupo chamado Teddy Boys (3), formado por jovens da classe operária, basicamente sem instrução profissional, surgiu na Inglaterra. O estilo desta “tribo” incluía penteados elaborados, paletós drapeados, engomados, compridos – inspirados na Era Eduardiana –, os brothel creepers e as gravatas estreitas.

Nos anos de 1970, os creepers retornaram à cena. Malcolm McLaren e Vivienne Westwood vendiam este tipo de sapato, que também era item do vestuário da banda Sex Pistols (4). Marca registrada da rebeldia de punks e rockers, seguiu sendo usado pelos frequentadores da cena underground nos anos de 1980 e 1990. Até a chegada dos anos 2000, integrantes de bandas como o Green Day (5) adotaram os creepers em seu figurino.

 

Já no novo milênio, o pisante acabou ganhando uma pegada mais fashion chic. Nas passarelas, apareceu em 2004, na coleção de alta costura da Christian Dior (6), na época, assinada por John Galliano. O estilista apresentou até uma versão com salto (7). Em 2007, os creepers voltaram a aparecer, agora, em território londrino, no desfile do designer Nathan Jenden (8), e, em 2009, na coleção da marca de origem espanhola, Armand Basi (9).

   

Já na segunda década do século XIX, Miuccia Prada resgatou o modelo de solado pesado na coleção de verão 2011 da Prada (10).

Entre as aparições mais atuais do sapato, vale destacar sua presença no lançamento da pré-coleção de primavera-verão 2013 da Chanel (11). Desta vez, o estilista Karl Lagerfeld foi o responsável por trazê-lo de volta à cena fashion. Acabamentos metalizados ganharam companhia de um solado claro, mais leve e feminino, um pouco diferente do estilo original. Desde então, vimos essa releitura pipocar entre as celebridades e formadores de opinião. A cantora Lady Gaga também está na lista de fãs. Inclusive, calçou no clipe da música ‘Judas’, de 2011, modelo de uma das mais tradicionais fabricantes de creepers, a britânica Underground, que o criou especialmente para o vídeo (12). A cantora Rihanna também está entre as adeptas deste tipo de sapato e já apareceu muitas vezes usando peças nessa linha (13). A atriz Dianna Agron, que ficou conhecida no seriado Glee, também já foi flagrada usando creepers, geralmente, combinados com peças de vestuário bem femininas e com toque retrô (14). Mais recentemente, durante as semanas de moda para o inverno 2014 do hemisfério norte, a famosa editora da Vogue Japão, Anna Dello Russo, foi flagrada calçando um modelo bem glamouroso, com verniz, pedrarias e metais (15).

   

Fotos: Reprodução/Divulgação