REI DO POP E DA MODA

Por Michel Pozzebon


1.

Idolatrado por muitos, odiado por outros. Michael Jackson (1) pode não ser unanimidade, mas é inegável a sua influência quando os assuntos são música, dança, televisão e, é claro, moda. O astro, que morreu aos 50 anos, segue sendo referência para o mundo fashion. E foi nos anos 1970, ao lado dos seus irmãos no grupo Jackson Five, que o cantor já fazia história com a sua tradicional calça boca de sino e sapato de salto alto (2). No entanto, somente na década seguinte é que o Rei do Pop se firmaria como ícone de estilo. Em 1984, no lançamento da emblemática canção Thriller (3), Michael aparecia com a famosa jaqueta de couro vermelho (4).

  
2. 3 e 4.

Vale destacar que o vídeo do single é uma das marcas registradas do músico, e sua coreografia foi tão marcante quanto o moonwalk (5) e a luva branca (6). O clipe se mantém contemporâneo, sendo o responsável por cristalizar a cultura da música em vídeo.

 
5 e 6.

Nos anos 1980, Michael também adotou as jaquetas estilo militar (7), peça que seguiria utilizando ao longo da carreira. A jaqueta virou outra marca registrada do guarda-roupa do astro. Chegou até a ser confeccionada com ouro niquelado. Em um registro de 1984 (8), o cantor aparece ao lado da atriz Brooke Shields vestindo o item inspirado na moda dos militares.

 
7 e 8.

Com influência direta do Rei do Pop, as cantoras Beyoncé (9) e Rihanna (10) também se tornaram adeptas do look militar. Destaque para a nova versão da famosa luva prateada nas mãos da Rainha do R&B (11).

  
9, 10 e 11.

Na cerimônia de entrega do Grammy de 1984, ao lado do produtor Quincy Jones (12), Michael aparece com a lendária luva branca decorada com apliques de metal segurando os oito prêmios que ganhou, entre eles os de Álbum do Ano e Gravação do Ano (Thriller).


12.

A calça com cintos amarrados nas pernas (13) passou a fazer parte do vestuário do Rei do Pop a partir de 1987. A peça foi utilizada pelo cantor na turnê Bad World Tour – que rendeu mais de US$ 128 milhões (maior arrecadação em uma turnê na década de 1980) –, e em vários videoclipes. Seis anos depois, na Dangerous World Tour, Michael lançou a roupa preta com tiras grossas douradas (14), um tipo de “body” vestido por cima da calça.

 
13 e 14.

Em 1995, o superstar começou a pegar mais leve no dourado e adotou a moda da camisa branca aberta, usada com uma regata por baixo (15).


15.

Outro item indispensável no guarda-roupa do Rei do Pop é o chapéu preto (16), espécie de marca registrada do artista.


16.

As famosas aplicações metálicas, atualmente bastante em alta nos calçados, já eram utilizadas por Michael em seus sapatos (17) muito antes de ficarem populares na indústria calçadista. Mas, não era só nos pés que o astro tinha usava. As jaquetas (18) também traziam estes adornos.

 
17 e 18.

O jeito de vestir de Michael Jackson também influenciou coleções de diversas grifes. Entre elas estão a Castelbajac (19), a Balmain, com a jaqueta cravejada de diamantes (20), e as luvas produzidas pela francesa Louis Vuitton (21).

  
19, 20 e 21.

Não dá para deixar de mencionar os responsáveis pelo estilo do Rei do Pop: os americanos Michael Bush e Dennis Tompkins (22). Eles desenharam quase todas as roupas usadas pelo astro em seus concertos e até as de seu guarda-roupa pessoal. Foram milhares de peças, muitas com detalhes militares, entre elas, a jaqueta (23) usada na cerimônia de 1993 do Guinness Book of World Records: preta de camurça e coberta com placas de ouro, avaliada em US$ 700 mil.

 
22 e 23.

EXTRA

Um thriller de Michael Jackson

Sabe aquela expressão: quem já foi rei, jamais perde a majestade? E são astros como Michael Jackson que seguem sendo referência em diversos temas de nosso cotidiano. O superstar que faleceu em 2009 está eternizado como um dos maiores ícones do século 20. Desde os cinco anos, quando ingressou no The Jackson Five, o artista já se destacava. Porém, foi na década de 1980 que Michael passaria a ser considerado o Rei do Pop. Também pudera, nessa época o cantor norte-americano lançava o emblemático disco Thriller, o sexto na carreira do músico. Literalmente, um exitoso thriller escrito a quatro mãos, por Jackson e pelo produtor Quincy Jones. Atualmente o álbum ultrapassa a marca de 60 milhões de discos vendidos.

As sessões de gravação de Thriller ocorreram entre abril e novembro de 1982, nos Estúdios Westlake, em Los Angeles, Califórnia, com um orçamento de US$ 750 mil. Jackson compôs quatro das nove faixas do álbum. Sete das nove canções do disco foram lançadas como singles, e todas chegaram às dez primeiras posições da Billboard Hot 100, parada de sucessos da revista americana Billboard. O álbum conquistou um recorde de sete Prêmios Grammy em sua edição de 1984.

Depois de todo o sucesso do álbum Thriller, estava na hora de escolher o que seria o último single. A essa altura o álbum já era o mais vendido no mundo todo, e Michael o músico mais bem pago do planeta. Foi nessa época que ele fechou o acordo de patrocínio com a Pepsi. Todavia, o cantor não poderia escolher outra canção que não a faixa-título para lançá-la como single, visto que das que ele ainda não havia lançado (Baby Be Mine e The Lady In My Life) Thriller era a mais adequada.

  

O vídeo de Thriller é uma das marcas registradas de Michael Jackson, o single é mais um vídeo do que uma canção. Seu clipe se mantém atual e interessante até os dias de hoje. Prova disso são as constantes referências feitas a ele pelo cinema, pela televisão e até em outras canções e videoclipes. O vídeo é um fenômeno da indústria fonográfica, tendo rapidamente feito sucesso em todo o planeta; era exibido a cada 40 minutos na MTV americana.

 

Versão original do clipe com quase 14 minutos:

Clipe reduzido: